Login

Usuários On-line

Temos 1 visitante on-line
Início seta Notícias seta História da Raça Girolando
História da Raça Girolando PDF Imprimir E-mail
20-Mar-2008

Apesar do Girolando ser um mestiço entre zebu e europeu, e desta maneira não poder ser classificado como raça zebuína, o cruzamento possui hoje importante papel na produção leiteira nacional, e desta maneira merece espaço dentre as importantes raças bovinas tropicais.

O mestiço de Gir com Holandês existe no Brasil desde o século IX. Antes dele, o gado pintado de negro era proveniente da raça Turma. Por ocasião das importações de gado Zebu, no mal do século XIX, os catálogos das firmas exportadoras (Hagenbeck e outras) traziam fotografias de gado cruzado de :Frísio com Zebu. A bacia leiteira do Vale do Paraíba, em São Paulo, era tão famosa que recebia o nome de "Holanda Brasileira", na década de 1920. Muitas vacas cruzadas Holando-Zebu foram premiadas em exposições, devido A alta produção leiteira.

Bezerra Girolando

 

Na década de 1940, o Girolando já podia ser visto de norte a sul do país, como gado mais popular para leite, principalmente nos pequenos e médios currais. Em Uberaba, recebia o nome "Holangir", seguindo a determinação do Ministério. Em 1987, a Assogir solicitou ao Ministério da Agricultura a adoção do nome "Girolando", prontamente aceito.

No final da década de 1980 surgiu a Assoleite-Associação Nacional dos Criadores de Girolando, em Uberaba, para realizar o controle leiteiro e Registro Genealógico, o qual teve inicio em 1989. Logo a seguir, foi lançada a revista "Girolando" pela Editora Agropecuária Tropical, oficializada pela Assoleite, tendo em vista homogeneizar os critérios de seleção e promover a raça. Em 1996 foi aprovado o padrão morfológico da raça Girolando, ao mesmo tempo em que a Assoleite mudava seu nome para Associação Brasileira dos Criadores de Girolando, ao mesmo tempo que firmava um convênio com a ABCZ para realizar o Registro Genealógico e o Controle Leiteiro em todo território nacional.

Funcionalidade - Os dados do Controle Leiteiro de 1990 mostram que a diferença na produtividade leiteira diária entre o rebanho Holandês brasileiro e o Girolando era de 35,23% e a diferença na produção média da lactação era de 34,84%. Em 1991 já havia animais em coleta de sêmen e mais de 6.000 inscritos no Registro. Quando a média nacional por vaca era de 0,79kg/vaca/dia, a média do Girolando era de 10,55 kg/vaca/dia.

Fêmea Girolando em leilão


Fonte: Os Cruzamentos na Pecuária Tropical - Ed. Agropecuária Tropical